Continuar na Netlog

mais segundos
Página de perfil do(a) prleontino

prleontino

masculino - 60 anos, SÃO JOSÉ DO VALE DO RIO PRETO - RJ., Brasil
1 fã - 472 visitantes

Blog / MORREREI ESTA NOITE, UMA POESIA QUE TOCARÁ O SEU CORAÇÃO

Domingo, 11 Fevereiro 2007 às 08:53

(João 3:16)- Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

(Salmos 23:1) - O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará.

(Salmos 23:2) - Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas.
(Salmos 23:3) - Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome.
(Salmos 23:4) - Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.
(Salmos 23:5) - Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.

(Salmos 23:6) - Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do SENHOR por longos dias.

DE MÁRIO BARRETO FRANÇA

MORREREI ESTA NOITE

A imprensa anunciou irada e com alarde:

_ “Mais um crime de morte estúpido e cobarde,
Desmerece e nodoa a civilização!...
É preciso a justiça agir com precisão!

O fato, já vulgar em nosso mundo injusto,
Se passou em Chicago: _ Um botequim um susto...
Uma estocada... um grito... um corpo inanimado...
A partilha cruel do dinheiro roubado..
Depois a fuga... o alarme... os tristes comentários...
E o silêncio, afinal, nas folhas dos diários...

Mais, passado algum tempo, é preso o criminoso.
Era um jovem de côr de semblante asqueroso.
A quem, no julgamento, o Egrégio Tribunal
Unânime aplicou a pena capital.

Agora, na prisão, Ernesto Gaither pensa
Na extensão do seu mal, no rigor da sentença,
E procura esconder no silêncio e no jogo,
O crime que lhe traz a consciência em fogo.

Um dia, u`ma mulher de sua triste raça
Notando-lhe no olhar a angústia da desgraça,
Convida-o a assistir a uma reunião,
Para prestar a Deus um culto de oração.

Ernesto esboça irônico sorriso
E, agastado, lhe diz: _ “Não perdi o juízo
A ponto de apelar a quem nem sei se atende!
Eu rejeito esse seu Deus e o seu convite, entende?!

E prosseguiu, calado, o seu jogo de cartas...

Flora Janes, no entanto, insiste: _ Antes que partas
Deste mundo, com Deus faze uma experiência!
Não procures calcar a voz da consciência !
Quando fores deitar, descrente e mau embora,
Pede que ele te acorde à noite, a qualquer hora!
Verás , Ernesto, então, que meu Deus te ouvirá.
E tuas transgressões também perdoará!”

Mesmo que procurasse esquecer a conversa,
Aquele desafio à sua alma perversa
Não pôde resistir; por isso aos céus apela:
_ “Se existe de verdade um Deus, que nesta cela
Eu seja despertado às duas e três quartos!”

De tantas discussões e, tantos jogos farto,
Em seu catre deitou-se e, em pouco ressonava...
Porém, de madrugada, ele acordou: suava...
Levantou-se inquieto... Era silêncio tudo...

Só o seu coração, num desespero mudo,
Batia fortemente; e, fora, os passos lentos
Da guarda, Ernesto ouvia; e, envolto em pensamentos confusos, perguntou, com certa timidez:
_ Guarda, que horas são?”

_ Faltam quinze para às três!”

(Responde o sentinela) e a ronda prosseguiu...

O que naquele instante o incrédulo sentiu
Só Deus compreenderia... Assim, se ajoelhou
E a clemência do Céu humílimo implorou:
_ “Senhor, agora, eu sei que és potente e divino!
Tem piedade, porém, de um mísero assassino!
Sei que sou desgraçado; entanto, a tua mão
Se estendeu para mim num gesto de perdão!...
Não mereço viver, que sou tão mau e ignavo,
Mas para te servir, eu serei teu escravo!
Sinto que, para o bem, algo de ti me induz
E me faz confiar em teu filho Jesus!”

Quando o dia surgiu risonho e ensolarado,
Mostrou-se diferente o pobre condenado.
Ele que prometera um rival justiçar,
Apenas o buscou para lhe anunciar
Que Deus o perdoara: e, por esse motivo,
Não brigaria mais nem seria nocivo...

Isso, aos olhares vis dos outros presidiários,
Em nada o justifica; antes, mais solidários
Torna-os, pelo despeito, em afirmar que Ernesto
Em cada confissão, em cada frase ou gesto,
Uma exemplar conduta estava a simular,
Para da punição da morte se livrar...

Esse juízo falso a seu respeito o fere;
Mas o golpe pior que a vida lhe desfere
Foi a declaração de seu advogado
De que a Suprema Côrte houvera rejeitado
O perdão requerido...

Embora... Estava certo de que, na hora fatal, Deus estava perto,
Bem pertinho de si, para dizer-lhe assim:
_ “Hoje mesmo, meu filho, estarás junto a mim”

Por isso, resolveu deixar u`ma mensagem,
Antes de iniciar sua última viagem:

_ “Ao leres isto, ó moço e amigo, estarei morto!...
Mas com Cristo entrarei seguro noutro porto...
Sou negro; tenho agora os meus vinte e três anos.
Condenado, a chorar meus tristes desenganos,
Tive um sonho esta noite: eu ai para o céu...
Jesus ia ao meu lado... e eu não era um réu...
Eu dava com vigor quatro passos, enquanto
Ele só dava dois.

Por que te apressas tanto?
(ele me perguntou)
_ É que estou pressuroso
De lá chegar Senhor!

E, repleto de gôzo,
De repente cheguei; e os anjos me rodearam;
E um cântico celeste, uníssono, entoaram...

Ao leres isto moço, estarei morto! Agora,
Se ouvires Deus chamar-te atende-O sem demora!
Enquanto és jovem, põe os dons que te compensam
No serviço de Mestre e será uma bênção !

O drama que eu vivi te seja claro aviso:
Quem se afasta de Deus despreza um paraíso!...
Não permitas que o vício enlace a tua vida,
Mas faze de tua alma uma luz refletida
No evangelho de amor dos feitos de Jesus;
E o teu rumo será um caminho de luz...

O preço do pecado é certamente a morte,
Porém o dom de Deus é a vida eterna e forte
Em Cristo, nosso rei e nosso Salvador !

Minha condenação foi do crime um açoite;
Afinal, morrerei no decorrer da noite!”

Perto da meia-noite, alguém foi vê-lo e ouvi-lo
Tendo um sereno olhar num rosto bem tranqüilo,
Ele pediu para ler o seu texto predileto:
_ “Pra mim o viver é Cristo ressurreto
E a morte é lucro, sim, porque de ambos os lados
Eu sinto os aguilhões terríveis dos pecados...
Eu desejo partir e estar com o meu Senhor
E com ele viver, o que é muito melhor!”

E recitou, depois o Salmos vinte e três
Que a todos pareceu mais belo, dessa vez:
E mesmo que da morte ao vale ande em perigo,
Não temo mal algum, pois tu estás comigo.”

Seus minutos finais o relógio escoava;
Fora da cela, a escolta em silêncio escutava...
Ernesto a contemplou com franco e terno olhar;
Depois disse a sorrir:

_ “Quero agora cantar
Meu hino preferido!”

E, abrindo o seu cantor,
Soltou a sua voz bonita de tenor:

“Quando Cristo sua trombeta
Lá no Céu mandar tocar;
Quando o dia mui glorioso lá romper ,
E aos remidos desta terra
Meu Jesus se incorporar
E fizer-se então chamada, lá estarei,

Quando se fizer chamada,
Quando se fizer chamada,
Quando se fizer chamada,
Quando se fizer chamada, lá estarei”

Depois se ajoelhou e fez uma oração:

_ Ó Deus quando cheguei aqui nesta prisão,
Eu adiava tudo e a todos com arrogância,
Por me trazerem sempre em árdua vigilância;

Mas agora, Senhor, contra ninguém reclamo;
A todos já perdoei, que a tudo e a todos amo.
Ah! Consola mamãe que tanto a fiz sofrer...
E ajuda os que ofendi...Eu sei: não vou morrer,
Vou apenas sentar-me... e dormir... e sonhar...
Para no teu regaço amigo despertar...

Levaram-no, depois, à câmara da morte;
Sem ódio, à própria escolta anima, calmo e forte,
Olha o assento fatal no fundo do salão;
Deixando-se guiar, sem resistir, sentou-se;
A todos estendeu um olhar manso e doce;
A primeira descarga, a cabeça pendeu
E a Deus, serenamente, o espírito rendeu.

Assim, na nossa vida, as faltas praticadas
Nos levam da consciência ao justo tribunal
Que, em face das sanções de eternas leis sagradas,
Nos aplica também a pena capital.

Convertidos, porém, a Deus, de almas serenas,
Possa cada um de nós, na hora extrema falar:
_ “Não! Eu não vou morrer! Eu vou dormir, apenas,
E nos braços de Cristo, alegre, despertar.”

PENSE BEM AMIGO LEITOR E LEMBRE-SE : ONTEM JÁ ERA, HOJE É O DIA E O AMANHÃ, COM CERTEZA, PODERÁ NUNCA CHEGAR. SE JÁ É UMA PESSOA ARREPENDIDA, PARABÉNS, SE NÃO, SAIBA QUE DEUS ESTÁ SEMPRE DE BRAÇOS ABERTOS ESPERANDO POR VC,POIS ELE O AMA DA MANEIRA QUE VC É, MAS NÃOQUER QUE FIQUE COMO ESTÁ.

POR PRLEO

Tags:


Comentários 2

Tens de entrar para postar um comentário. Se ainda não tens uma conta, regista-te agora!
A tua avaliação: 0
sem avaliação